“It’s a kind of Magic” – Tirinha do DIa

“Se a magia é algo tão fantástico, por que Harry Potter e os amigos dele não usam para mudar o mundo, ao invés de se esconder e jogar quadribol?”. É uma boa pergunta e que você já deve ter feito em algum momento. Claro, eles precisam se esconder dos trouxas e magia não é tecnologia, mas todos temos que concordar que eles usam muito mal os poderes deles. Com um vira-tempo a Hermione poderia ter feito qualquer coisa! Matado o Voldemort, salvado os pais do Harry, talvez até mudado as piadinhas que sofria nos primeiros anos em Hogwarts. E mesmo que viajar no tempo não seja uma ciência exata, todos nós conseguimos pensar milhares de outras coisas mais legais do que usar para assistir todas as aulas. Mas você não precisa pensar nada disso, só ler essa webcomic.

Boulet é um cartunista francês, que mora em Paris, e já publicou cerca de 20 livros para jovens. Em “It’s a kind of Magic”, ele se coloca no lugar de um aluno da Lufa-Lufa para fazer umas perguntas que ninguém ousou fazer ainda. Por que perder tempo com velas voadoras, quando os bruxos poderiam estar navegando pelo universo e construindo mundos para viver longe dos trouxas? É uma boa pergunta, não acha? Espere até ver os desenhos dele.

Continuar lendo

Anúncios

Crítica: Jogos Vorazes – por Lucas Fratini

Há duas maneiras de um filme atrair o público. A primeira é através da pesada publicidade capaz de lotar seções antes mesmo de existir uma opinião formada acerca dele, feita por atores famosos, trailers e cartazes em todo lugar. A segunda é o confiável murmurinho gerado pelo boca a boca de indicações e elogios, o famoso “tá todo mundo dizendo que é ótimo!”, mesmo que às vezes todo mundo seja uma única pessoa. Tudo com o objetivo de criar curiosidade suficiente para arrastar o espectador ao cinema.

Quando essa expectativa é correspondida, o filme estoura nas bilheterias, passando semanas no pódio e alimentando os estúdios com milhões. Porém, quando há decepção da plateia, ele é fadado ao fracasso e esquecimento, pagando com prejuízo o preço da ambição. E infelizmente esse é o destino irrefutável de Jogos Vorazes.

Continuar lendo