Pokémon and Religion

Pokémon é Coisa do Demônio – Lendas do Pokémon

Você sabia que Pokémon é um culto a satã? Não, sério. Não é papo de mãe preocupada com o filho que não larga mais o Nintendo 3DS, ou de um pastor que está perdendo seus fiéis. Vários indícios ajudaram a criar essa lenda, principalmente depois daquelas histórias de suicídio e referências nazistas.

O post de hoje é todo baseado no vídeo abaixo do Did You Know Gaming. Pokémon e religião sempre foram um assunto muito recorrente, é verdade. Mas tenho que confessar que algumas dessas histórias até eu não conhecia. Só fiquem calmos, pais e crianças, esse post não deve ser levado tão a sério, ok? É sempre bom avisar.

Evolucionismo e culto a Satã

A história começa bem lá atrás, na criação do jogo. Obviamente o fato da história ser toda baseada nas evoluções dos pequenos monstrinhos não agradou muito alguns cristãos. Em alguns casos, beira até o oculto segundo eles, já que alguns pokémon só evoluem com a ajuda de algumas “pedras mágicas”, como o Eevee por exemplo. Mas não acaba por aí.

seal of solomonTodos devem se lembrar qual o objetivo de batalhar contra todos os ginásios e, por fim, tentar a sorte contra a Elite Four. Fama, talvez ser o melhor mestre pokémon de todos, ou ainda, poder. Mas, porque ao ganhar medalhas você pode “controlar” bichinhos cada vez mais poderosos, alguns vêem aí uma referência a talismãs mágicos, como o Selo de Salomão.

Segundo o Testamento de Salomão, um manuscrito datado entre os séculos I e III d.C, o Rei Salomão teria construído seu templo – o Templo de Salomão, o primeiro Templo em Jerusalém – com a ajuda de um anel, dado a ele pelo arcanjo Miguel, que lhe concedia poderes e controle sobre demônios. Aonde será que já ouvimos essa história, meu Precioso?

Na história completa, Salomão ganha controle sobre o próprio Belzebu e toda a raça de demônios, os quais ele usa para completar várias tarefas. Bom, as semelhanças com a mecânica do jogo de capturar e batalhar são claras, ainda mais quando alguns pokémon tem poderes psíquicos, o que é repudiado na Bíblia:

“Não recorram aos médiuns nem busquem a quem consulta espíritos, pois vocês serão contaminados por eles. Eu sou o Senhor, vosso Deus” (Levítico 19:31)

Ficou preocupado agora, não é? Espere até ouvir o que a Bíblia tem a dizer sobre alguns pokémon raros, baseados em mitologias pagãs e deidades, vistos pela Igreja antigamente como “adoração ao diabo”.

“Temam o Senhor, o seu Deus e só a ele prestem culto e jurem somente pelo seu nome” (Deuteronômio 6:13)

Se você ainda não está convencido dessa história toda, se você é cético, ou até mesmo ateu, só uma coisa pode convencê-lo então. Mensagens subliminares. Isso mesmo, como naquele disco da Xuxa que, quando tocado ao contrário, fala do tinhoso, o capiroto, o pata rachada, o cramunhão, o coisa ruim….

Desde a década de 90 muita gente acredita nessa história. Escondido no Rap Pokémon está: “I Love You Satan”, bem na parte que ele diz “Gotta Catch ‘Em All”, o lema do animê. Escute só:

Depois disso, muita gente ficou maluca, com certeza tinha quem quisesse colocar fogo nas fitas em praça pública, mas alguém finalmente conseguiu apaziguar todo mundo. Ele mesmo, o próprio Papa.

Depois do sucesso do primeiro filme da série (Pokémon: O Filme) na Itália, o Vaticano expediu uma nota dizendo que o jogo e as cartas não causavam nenhum “efeito moral perigoso nas crianças”, se baseia “nos laços de amizade” e é “cheio de criatividade”. Legal da parte dele.

Então, guardadas as tochas e garfos, os pais estavam mais calmos. Até que surgiram os indícios antissemitas e referências ao nazismo, como já falamos anteriormente.

HAIL ROCKET

Antissemitismo e “Conspiração judaica”

Uri Geller, famoso paranormal e ilusionista israelense naturalizado britânico, dizia que o Kadabra escondia uma alusão à Tropa de Proteção nazista, a Schutzstaffel, cujo símbolo (Runic "SS") se parece com os raios na barriga do pokémon.

Embora a semelhança seja gritante, na verdade, os raios são baseados em cartas usadas nos anos 1930 para identificar pessoas com “poderes extrassensoriais”, o que faz muito mais sentido.

Mesmo com essas acusações antissemitas, muitos árabes acusaram o jogo de ser na realidade uma “conspiração judaica, cujo objetivo é levar jovens para a fé judaica”. A história ficou tão feia que alguns rumores começaram a surgir no Egito, dizendo que Pokémon era uma abreviação de “Não Há Deus no Universo”, ao contrário da crença popular (“Pocket Monsters”).

AlakazamAlgumas autoridades da Arábia Saudita foram ainda mais longe e disseram que algumas cartas Pokémon possuíam “a Estrela de Davi, o que todos sabem estar conectada ao Sionismo, além de ser símbolo de Israel”.

Na verdade, tudo não passou de uma má interpretação de uma carta de energia, que possui uma estrela. A única referência à Estrela de Davi em toda série, e que ninguém percebeu, só aparece nas versões japonesas da Red e Green, na cabeça de ninguém menos que o Alakazam (quase, Uri Geller).

Alguns árabes ainda tentaram dizer que Pikachu é japonês para “Eu sou Judeu”, o que é até meio assustador.

Por fim, depois de toda essa polêmica e controvérsia, os jogos foram banidos da região. Isso é, até a terceira geração, Pokémon Ruby e Sapphire, cujos pokémon lendários são ironicamente referências a figuras mitológicas hebraicas. São eles Groudon, Kyogre e Rayquaza, os equivalentes a Behemoth, Ziz e Leviatã.

Um pensamento sobre “Pokémon é Coisa do Demônio – Lendas do Pokémon

  1. Essa é uma tese até que interessante qual para você e para muitos faz sentido até por causa até mesmo do primeiro video postado no artigo, a tese original pode até ser fundamentada em certos fatos interessantes, mas acho um absurdo tentarem colocar isso como uma forma de conversão hebraica, até por que a pessoa que criou o video e a tese obviamente não fez um profundo estudo para fundamentar suas teses, afinal o simbolo “nazista” como citado, estava ao contrário, logo, ele não é um simbolo nazista e sim hinduísta do qual os nazistas copiaram e não tiveram criatividade suficiente para criar um, logo a seguir a cabeça do Alakazam ser um pentagrama não me faz sentido algum, afinal o pentagrama (muito antes da religião satânica) existia como simbolo de proteção wicca e com a ponta para cima, então assim como o simbolo “nazista” foi copiado e invertido para parecer algo novo, mais uma vez mostra a falta de conhecimento nesse sentido, e Behemoth e Ziz são consideradas criaturas que supostamente podem destruir o mundo e uma existe unicamente para impedir a outra, mas Leviatã não, ele simplesmente não passava de um antigo povo extremamente perverso que ataca pelo mar de uma forma feroz e destrutiva o qual ficaram conhecidos como monstros do mar, mas não era algo literal e sim uma expressão que era simbolo desse povo…
    Foi interessante sua tese e sua iniciativa devo admitir, mas acredito que antes de falar que tudo é um culto pra Satan você deve procurar entender o tudo em si, e saber que você na verdade estava falando de coisas ainda mais antigas do que a maioria da humanidade já conhece e que “Ctrl+c Ctrl+v” em teorias alheias não dá certo, pois não devemos acreditar em tudo que os outros dizem e sim ir em busca da verdade com aquilo que aprendemos como BASE e não como VERDADE ABSOLUTA só por que alguem disse que é verdade… Fica a dica… Espero ter ajudado! Abraços!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s